Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Setor têxtil continua com dificuldades mesmo após desoneração da folha, diz associação

Setor têxtil continua com dificuldades mesmo após desoneração da folha, diz associação

Fonte: Agência Brasil

BRASÍLIA - O presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), Aguinaldo Diniz Filho, informou nesta quinta-feira (28) que, mesmo com as medidas de desoneração da folha de pagamento, o setor continua com dificuldades. Segundo ele, foram demitidas 7 mil pessoas no ano passado, ante 16 mil em 2011, e um dos grandes problemas continua sendo a importação de produtos têxteis. Diniz Filho participou da reunião da Comissão Tripartite de Acompanhamento e Avaliação da Desoneração da Folha de Pagamentos (CTDF), no Ministério da Fazenda, que contou com a presença do secretário de Política Econômica, Márcio Holland.

O presidente da Abit não forneceu uma estimativa do número de demissões caso não houvesse uma política do governo de desoneração da folha de pagamento. “Da minha parte, coloquei que a desoneração foi muito importante. Houve ganho, com melhoria de produtividade. Mas não o suficiente para enfrentar a conjuntura econômica de concorrência predatória que o país está vivendo com a desindustrialização”, disse.

Mais otimista, o presidente da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), Humberto Barbato, deixou a reunião dizendo que as medidas adotadas foram importantes e avaliadas durante o encontro como muito positivas para o setor. “Foram atingidos 54% do setor. De todas as empresas com as quais conversamos, nenhuma disse que gostaria de volta para o sistema antigo”, disse.

O representante da Abinee informou ainda que o setor terminou o ano de 2012 com 3 mil novos empregos diretos. Para ele, o resultado deve ser avaliado como positivo, mesmo sendo inferior ao de 2011, quando foram criados 10 mil empregos. “Nós acreditamos que, se não houvesse a medida [de desoneração], nem esses 3 mil teriam sido gerados. Seria negativo”, destacou.

 O gerente executivo de Política Econômica da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Flávio Castelo Branco, explicou os aspectos técnicos da comissão criada para avaliar os efeitos da desoneração. O economista declarou que o grupo começou a estruturar um processo junto com a Fundação Getulio Vargas (FGV) para criar indicadores estruturados de acompanhamento e entender o impacto do processo na competitividade e na geração de empregos, assim como na arrecadação.

“Estamos buscando uma avaliação mais ampliada de todo o processo em todas as esferas e queremos identificar uma metodologia para esse processo de avaliação”, disse.

Exibições: 110

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Comentário de petrúcio josé rodrigues em 5 março 2013 às 17:08

É assim mesmo,  caro Romildo,

uma  cadeia  de interesses  é  estabelecida.

tenho feito alguns  apartes  em conversas, aqui no blog e  sempre  enfatizei esta problemática.

o governo diz  que  faz  a parte  dele. os  empresários descarregam no governo, porém, o setor TÊXTIL SOFRE  AS  CONSEQUÊNCIA  POR LONGAS  E SACRIFICOSAS DÉCADAS.

veja  companheiro, parte deste  enigma pertente também ao governo.

os imposto  consomem parte  dos lucros. o empresário, procura tirar proveitos  de  alguma  forma  para  compensar.

é,  estamos MESMO, no mato sem cachorros. INFELIZMENTE.

Comentário de Romildo de Paula Leite em 5 março 2013 às 15:54

  Caro Petrúcio, os industriais querem pagar um pouco acima do salário minimo para um  tecelão (ã) tocar mais ou menos 20 teares de alta produçao, uma operadora ou operador tocar vários filatórios,  isso é só para exemplificar. O que eles querem pagar ao técnico Têxtil com varios anos de formação e com varios cursos ao longo da carreira é uma vergonha. Por isso reclamam que está faltando mão de obra especializada. Os salários dos mecanicos na industria têxtil é baixissimos. Não disfazendo das empregadas dométicas nem das diaristas, os salários delas são maiores do que se paga na indusstria têxtil.

Comentário de petrúcio josé rodrigues em 5 março 2013 às 15:17

Carissimo Romildo,

esse é o aminho das "pedras".

quais sejam: investimentos, treinamentos, produtividade e incentivos aos postos de  trabalho.

esse assunto, morre no primeiro mês  de gestação. Motivos, não produz IBOPE (votos).

Comentário de Romildo de Paula Leite em 5 março 2013 às 15:02

  Essa dificuldade da indústri têxtil já vem de décadas e décadas, meu caro Petrúcio.

É preciso ivestir em maquinários para modernizar, treinamento em mão de obra para aumentar a produtividade e pagar salários dignos aos funcionários para que eles ou elas permaneçam na empresa.

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço