Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Grupos Têxteis incitam seus governos a combater as restrições à exportação do algodão indiano

Produtores têxteis dos EUA, da União Europeia, da Turquia e dos países da América Latina estão instando a seus governos a exercer pressões bilaterais e multilaterais sobre a Índia para eliminar as restrições à exportação de algodão, que dizem elevar o preço mundial do algodão em seu detrimento e fornecer um subsídio para o sector têxtil e da confecção da Índia em um momento de oferta de algodão reduzida.
O problema é agravado pelo fato de que as fábricas chinesas de têxteis estão comprando a oferta remanescente de algodão do mundo, disseram esses grupos. As fábricas chinesas podem pagar pelo algodão valores superiores aos preços de mercado, porque elas são estatais e "desfrutam de inúmeros subsídios governamentais", segundo uma carta de 18 de novembro, escrita por grupos que representam os fabricantes de têxteis do Brasil, Colômbia, Equador, Peru, República Dominicana e América Central.
Essa carta disse que os preços do algodão subiram de 62 centavos por libra, em abril, para US$ 1,20 por libra no dia que a carta foi enviada. A carta foi enviada após organizações têxteis dos EUA, UE, Turquia e México apresentaram uma carta semelhante aos seus governos em 25 de outubro.
Grupos da indústria afirmam que as restrições das exportações da Índia, que têm tomado a forma de um imposto de exportação, quotas de exportação e atrasos na concessão de licenças de exportação e de transporte, violam uma série de regras da Organização Mundial do Comércio.
Isso inclui uma violação do Artigo XI do GATT, que proíbe os signatários de estabelecer quaisquer proibições ou restrições à exportação, afora impostos ou tarifas, ainda que preveja uma exceção para as "temporariamente aplicadas para prevenir ou aliviar uma escassez crítica de alimentos ou outros produtos essenciais no país exportador".
Cass Johnson, presidente do Conselho Nacional de Organizações Têxteis dos EUA, rejeitou a noção de que a Índia enfrenta uma escassez crítica de algodão, dizendo que até os números do país mostram um excedente de algodão.
Mas esses grupos ainda não estão exigindo publicamente que seus países iniciem um processo formal de resolução de litígios no âmbito da OMC, disseram fontes da indústria.
Em resposta às reclamações de suas indústrias, os EUA e a UE exerceram pressões bilaterais sobre a Índia para eliminar essas restrições à exportação, disseram.
Por exemplo, autoridades americanas levantaram a questão durante a viagem do Presidente Barack Obama à Índia no início deste mês, de acordo com Johnson. Ele disse que não tinha conhecimento do resultado dessa discussão.
Além disso, funcionários do comércio da UE pretendem manifestar a sua oposição às restrições da Índia, durante uma viagem a esse país esta semana como parte das negociações em curso para um acordo de livre comércio entre eles, disse uma fonte da indústria da UE.

Exibições: 90

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

© 2022   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço