Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

“Para acabar com essa corrupção é preciso tirar o PT do poder”, diz Aécio em debate

Terminou agora o ultimo debate antes das eleições. Aécio Neves estava afiado, demonstrando firmeza e segurança, enquanto Dilma se mostrou nervosa, chegando a gaguejar, com voz trêmula. Provavelmente abatida pelas denúncias recentes que Alberto Youssef, doleiro do PT, fez ao delegado da Polícia Federal, reveladas por Veja.

Foi logo o tema da primeira pergunta do tucano, para mostrar a que veio. Acusou a adversária de ter protagonizado a campanha mais sórdida desde a redemocratização, citando inclusive a reportagem de capa da revista Isto É. Dilma cambaleou, acusou o golpe, preferiu atacar a Veja em vez de comentar o conteúdo que a mensageira apenas disponibilizou, cumprindo sua função jornalística.

A segunda pergunta de Aécio foi outro golpe duro na adversária: nossa infraestrutura capenga, enquanto o governo dela prefere financiar porto bilionário… em Cuba! E pior: sob sigilo, com prazo bem acima do normal de mercado, e sem garantias comumente exigidas! Por que tanto privilégio ao regime ditatorial? Silêncio e tergiversação da petista.

Repetindo sua palavra aparentemente preferida, Dilma só se dizia “estarrecida”. Mas estarrecidos ficamos todos nós, sem as devidas respostas! Foram perguntas importantes, objetivas, que demandavam uma explicação. Nada. Dilma fugiu, como de praxe. Atacou com outras questões secundárias para não ter de enfrentar fatos incômodos.

O terrorismo eleitoral com o Bolsa Família não foi tão explorado dessa vez pela candidata petista, mas bem que tentou. Aécio se saiu muito bem ao afirmar que o povo carente merece subsídios, mas que os ricaços do Bolsa Empresário via BNDES não. Ouch! Dilma, a candidata do “povo”, é na verdade a camarada dos bilionários.

Houve ainda a oportunidade para uma alfinetada cruel de Aécio, ao insinuar que Dilma não conhece bem o Congresso, pois confundiu seu papel como líder do partido, e não do governo. Mostrou mais confiança nas propostas também. Afinal, como bem colocou, quem já fez tem mais autoridade para dizer que vai fazer. Dilma se apresenta como uma candidata praticamente de oposição a ela mesma, ignorando que governou pelos últimos quatro anos, e seu partido por doze.

Ao defender no discurso punição mais severa para corruptos, Dilma deveria ter sido mais cautelosa. Dependendo do andar da carruagem nas investigações do escândalo da Petrobras, ela pode acabar alvo das medidas que prega. Foi implicada diretamente no caso, segundo o doleiro. Ele diz que ela não só sabia, como se beneficiou do esquema.

O ponto alto da noite foi quando Aécio, ainda no tema da corrupção, disse que a medida mais eficaz de curto prazo para acabar com tanta corrupção e tirar o PT do poder. Foi ovacionado no local, e sem duvida por milhões de residências Brasil afora.

Nem mesmo as cartadas na manga de Dilma surtiram efeito. Tentou, claro, falar sobre a crise de água em São Paulo, mas foi lembrada por Aécio de que a crise afeta boa parte do país, especialmente o nordeste; que não houve ajuda devida do governo federal; e que o diretor a Agência Nacional de Água, apontado por Rose (por onde anda?), foi para o presídio em vez de ajudar no planejamento. Alckmin, por outro lado, foi reconhecido pelos paulistas como bom gestor, tanto que acabou reeleito no primeiro turno.

Outra provocação legítima de Aécio foi sobre o tema da reeleição, quando perguntou diretamente: quem está governando o Brasil, candidata? Mostrou, antes, que ela praticamente não esteve no Palácio do Planalto nesses últimos dias todos, assim como seus ministros estiveram ausentes, atuando em sua campanha.

Dilma, sobre reforma política, bateu na tecla do financiamento empresarial. Que bola levantada para Aécio! Dilma, do PT, condenando financiamento empresarial depois de arrecadar mais de empreiteiras e bancos do que todos os outros partidos juntos, é como Beira-Mar condenando o tráfico de drogas…

O tucano rebateu bem a insistência de Dilma na comparação, distorcida, com o governo FHC, sempre tirando do contexto aquela época. Quem olha muito para o passado é porque quer fugir do presente ou não tem nada a apresentar para o futuro, jogou na cara da petista.

Uma grande gafe da presidente foi quando uma economista de 55 anos, desempregada, quis saber o que o governo pretendia fazer para ajudá-la. Dilma, que só sabe repetir o Pronatec nessas horas, acabou recomendando um curso técnico. Pronatec para uma economista formada, com 55 anos e sem emprego? Aécio perdeu a chance de mostrar o quanto Dilma se mostrou perdida na questão ao recomendar uma qualificação de primeiro e segundo grau, a do Pronatec, para uma mulher que tem curso superior em economia. Talvez a sua equipe da Unicamp devesse mesmo fazer um curso no Senai e mudar de ramo de atividade…

Por fim, Aécio cobrou aquilo que William Bonner já havia cobrado na entrevista para o Jornal Nacional, sem resposta: o que Dilma, a cidadã e candidata, pensa sobre a condenação de José Dirceu? O chefe do mensalão é um “herói nacional”, como querem os membros de seu próprio partido, ou um criminoso, como diz o STF? Ficamos, uma vez mais, sem saber a resposta. Dilma fugiu. Negou-se a responder.

Como quem cala consente, e como Dirceu continua bem próximo de todos aqueles que estão com Dilma, fico com a opção número um. Vote em Dilma e leve o “herói” Dirceu junto…

PS:  Na fala final, Dilma “paz e amor” falou de um Brasil do amor, da união e da solidariedade. Mais cedo, na campanha da televisão, mostrou uma cara bem mais raivosa. Vamos depredar essa maldita Veja que ousa expor fatos, em nome do amor e da solidariedade? Dilma e o PT são mesmo os ícones da incoerência.

Rodrigo Constantino

Exibições: 60

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço