Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Reynaldo-BH:'Até onde vai a canalhice dos advogados defensores de bandidos?'

REYNALDO ROCHA

Existem advogados e existem defensores de acusados. Sei que esta distinção não encontra amparo em leis ou mesmo em escolas jurídicas. Mas é minha e por ela respondo.

Advogados devem ─ por imposição do juramento ─ defender criminosos. Até mesmo o fratricida, o parricida ou o genocida.

Defensores e bandidos fazem o mesmo. Atentando contra a lógica, a ética e a moral. E usando de termos que não fazem parte do vocabulário mesmo de prostitutas regiamente pagas.

Até onde vai a canalhice de quem, para argumentar em defesa do indefensável, ousa apoderar-se de conceitos como Democracia e República, como fizeram os cinco advogados do PT que assinaram a petição encaminhada ao Tribunal Superior Eleitoral?

Governo de todos? Coisa (res) pública? Onde, doutos defensores de quadrilheiros? Quando, em qual momento, os bandidos escondidos numa sigla partidária que despreza a própria história e escarnece do que anteriormente pregava pararam por um instante para pensar na coisa pública ou no direito de todos?

Esse todos quer dizer todos os que estão na quadrilha? E coisa pública faz referência ao dinheiro que,  embora não carimbado, provém de todo nos ?

Não se trata de judicializar a política, mas de desratizar a podridão. E não haverá julgamento político, mas somente a aplicação da lei aos que ─ como bandidos comuns! – ultrapassaram o limite da ilegalidade.

O jus esperneandi tem limites, prezados defensores de bandidos!

Não sei ─ e nem quero saber! ─ quem são os notáveis causídicos que confundem defesa de criminosos com ataques à cidadania e ao estado de direito. São responsáveis pela própria biografia. E devem saber (ou deveriam) o tamanho da linha que separa a subserviência ridícula da honestidade profissional. Cada um que faça a própria escolha e conviva com a mesma.

Minha revolta ─ deixo claro! ─ está na argumentação que ME ATINGE como cidadão. Quero sim uma punição exemplar para canalhas que se venderam a um esquema sórdido mais que provado: comprovado! E que a cada dia ganha novas versões e justificativas nada justificáveis.

Amparado nesse sentimento de indignação é que me dirijo aos defensores de bandidos que possuem uma carteira da OAB: menos! Mais respeito!

Usem os argumentos que desejarem. Afinal, de argumentos patéticos e inverossímeis este processo está repleto.

Mas exijo ─ em nome dos brasileiros com vergonha na cara ─ que evitem o uso de conceitos como democracia e república.

Em prostíbulo não se fala de moral.

Em casa de enforcado, não se faz referência a cordas.

Em uma república democrática, advogados e defensores de bandidos não fazem parte do mesmo perfil profissional.

Espero que os nobres causídicos que usaram indevidamente conceitos caros aos que acreditam nos termos usados ─ e prostituídos na petição – sintam vergonha. Antes tarde que nunca.

Bernard Shaw ensinou que um homem é tão mais respeitável quanto mais numerosas são as coisas das quais se envergonha. Esperemos que todos sintam VERGONHA!

fonte:http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/secao/feira-livre/

Exibições: 67

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço