Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Quatro Presidentes Americanos Trabalharam Como Analistas de Crédito

Quatro presidentes americanos trabalharam como analistas de crédito no setor privado antes de se tornarem presidentes dos Estados Unidos. "Analista de crédito era uma posição respeitada que fornecia forte treinamento em práticas de negócios."

 Lincoln, Grant, Cleveland e McKinley todos trabalharam para Dun & Bradstreet, segundo o site da empresa.

Lá, eles aprenderam: 

1. Como avaliar quais organizações e empresas eram dignas de recursos e crédito.
Ou seja, que ideias devem ser financiadas e quais não.

2. Que pontos de referência usar uma vez que o crédito foi dado, e como monitorar continuamente o que está sendo feito.

3. O mais importante, eles aprenderam quando cortar o crédito quando necessário, em vez de continuamente pedir maiores limites de endividamento.

4. Eles aprenderam quando "parar de jogar dinheiro bom em cima de dinheiro podre", algo que a maioria dos próximos presidentes nunca aprendeu.

5. Como avaliar o 5 Cs de Crédito "Caráter, Condições, Capacidade, Capital e Colateral" algo que o sistema bancário (e algumas indústrias e comércio*) esqueceu, especialmente o primeiro C.

Eu sempre achei que os EUA tiveram muita sorte em ter quatro presidentes treinados, ainda jovens, em uma das habilidades mais difíceis de negócios naquela época.

"Avaliação de crédito", um campo tão complicado que os acadêmicos, infelizmente, passaram os próximos 100 anos tentando simplificar o processo.

Simplificaram demais, hoje é um único número - o Var.

Os bancos (e algumas indústrias e comércio*)  tornaram-se super alavancados, porque estes acadêmicos em Matemática e Física criaram uma falsa sensação de segurança.  Agora, apenas um dos Cs 5 é tomado em consideração, Colateral ou Garantias Reais. E pior, com base em métodos quantitativos que excluem todo o resto.

Lincoln, Grant, Cleveland e McKinley estão girando em seus túmulos.

Alguém poderia por favor encaminhar este artigo para o Mitt Romney, porque isso é exatamente o que deu errado nos Estados Unidos. Seus líderes se esqueceram dos princípios de gestão de crédito, quando, a quem, porquê, quanto, quais são as condições do negócio subjacente não o valor dos ativos subjacentes.

Que é exatamente o que Romney fez na Bain.

Estão depreciando o equivalente ao CEO Dun & Bradstreet na época, e não quatro analistas juniores da empresa.  Quando eu estava na Harvard Business School em 1972, cursando Gestão de Crédito, com Prof. Charlie Williams, era um dos cursos mais populares, com aulas para 160 alunos.  (Ele nasceu em Romney, West Virginia, e morreu no ano passado.)

De acordo com Stephen A. Greyser Professor of Business Administration Emérito, "Charlie Williams foi um dos mais influentes professores da HBS, durante o seu mandato na faculdade".  Nós aprendemos muito mais do que o Cs 5 de Crédito, estudamos planos estratégicos, de negócios, estrutura organizacional, contratos, direito, muito poucas fórmulas econométricas. O curso, surpreendentemente não é dado mais.

Charlie Williams não foi sequer lembrado no aniversário de 100 anos de Harvard.

O Dean, de Harvard, culpou a crise de 2008 na "Ganância", sequer percebendo que Harvard Business School tem parte da culpa, e todas as outras escolas de negócios que acharam análise de crédito piegas.

Quatro presidentes trabalhando para a mesma empresa não é uma coincidência, um Cisne Negro como os acadêmicos hoje gostariam de mencionar.  Era um imperativo para o sucesso.  Os líderes de hoje, especialistas, acadêmicos responsáveis, não têm mais ideia do que essas duas palavras significam, as palavras que os presidentes Lincoln, Grant, Cleveland e McKinley conheciam bem.

E não nos esqueçamos, crédito naqueles dias era dado para as empresas se industrializarem, usarem o dinheiro para comprar equipamentos e produtividade, o que resultava inicialmente em demissões. A Bain de Mitt Romney é uma Private Equity, a única parte que sobrou de seu sistema financeiro saudável.  Private Equities são os únicos que realmente emprestam hoje, à maneira antiga.

Que promovem, de fato emprestam mais dinheiro quando necessário (ou dão crédito*), dão aconselhamento financeiro e aconselhamento empresarial para os credores, monitoram o próprio negócio e não algoritmos quantitativos.

São os únicos que realmente sabem a quem estão emprestando (ou dando crédito*) e dando dinheiro. Simplesmente não posso acreditar no que estamos vendo na América, um Romney sendo trucidado sem entenderem o que isso realmente representa.

É triste ver a destruição de 200 anos de um sistema de crédito, o fim de um sistema financeiro que soube emprestar, acompanhar o empréstimo, tomar ações corretivas positivas antes do fato, não depois como está sendo feito, e mal feito.

Alguém poderia enviar isto para a equipe de Mitt Romney, há uma lição importante aqui a ser lembrada.

Fonte: http://blog.kanitz.com.br

* (observações de Osnir da Silva - http://textileindustry.ning.com/profiles/blog/list?user=21a4czeyzj7kz)

Exibições: 66

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço