Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

A perda de competitividade da indústria nacional levou o Exército brasileiro a envergar uniformes made in China. A notícia pegou de surpresa a presidente Dilma Rousseff, que foi informada da vantagem chinesa pelo setor produtivo justamente no dia em que ela anunciava o programa Brasil Maior para estimular a indústria nacional e garantir à produção brasileira espaço nas licitações públicas, conforme antecipou ontem a colunista Ancelmo Gois.
A tendência parece vir se alastrando pelas Forças Armadas, segundo representantes da indústria têxtil. Já há até importação de uniformes prontos. Dados do pregão eletrônico do Exército indicam que, em 2009, foram comprados 110 mil metros de tecido para fabricação de fardas. Este número saltou 318,2%, para 460 mil metros, em 2010. O processo de licitação de 2011 ainda não terminou, mas as empresas nacionais estão preocupadas. As compras de fardas importadas, basicamente uniformes camuflados, correspondem a R$ 100 milhões para as três Forças, segundo o Ministério da Defesa. O valor inclui produtos fabricados no país asiáticos e itens que contenham insumos chineses. Entre os fornecedores está a empresa Diana Paolucci, que é brasileira, mas tem fábrica na China e traz peças prontas.
- Temos cortado um dobrado. Só trabalhamos com produto nacional e já não ganhamos uma concorrência há quatro anos – disse ao GLOBO o gerente de empresa especializada em fardas de São Paulo, que não quis se identificar. (Vivian Oswald – Jornal O Globo),

Fonte:|http://www.correiodeuberlandia.com.br/atadiaria/2011/08/04/governo-...

Exibições: 1413

Responder esta

Respostas a este tópico

Se o Governo nao tomar medidas fortes urgentes,cedo cedo ficaremos so no Arroz...........
Se nem o governo incentiva a idústria brasileira....quem incentiverá?
Este país não é sério !! Total falta de conhecimento e entrosamento no governo

Uma vez, Raul Seixas, um visionário sugeriu " A solução é alugar o Brasil"...diante de um ato desse, não seria justamente o caso?

 

A cadeia produtiva não pode ficar à espera do governo, ela deve agir.  Quando um jornalista se dá conta do que está acontecendo, a questão tomou grande proporção.

A pergunta que temos que fazer é:  

Por que o governo deveria proteger empresas que se agridem?

 

A sensibilização do governo ocorreu porque fatos foram apresentados, mas o que este deve fazer se mais empresas continuarem produzindo na China?

É impossível proteger o  homem dele mesmo , e isso serve para cadeias produtivas.

 

 

 

Simplesmente as forças armadas NÃO PODEM ESTAR USANDO FARDAMENTO COM PANO CHINES. Creio que há erro nessa reportagem, Dana Vivian Oswald. Essa matéria necessita ser estudada a fundo para que os fatos sejam expostos corretamente, A Senhora sabia que este pano foi vendido por uma firma Brasileira, Mineira, a COTEMINAS, cujo maior acionário era o Senhor Jose de Alencar Silva, um dos melhores vice-presidentes o que Brasil já teve? Não Da. Vivian, mil perdoes, mas NÃO POSSO CRER que a sua informação seja fidedigna...

Alias Dona Dilma (Carlos Alberto, olho nessa!) vou lhe cantar a pedra do próximo tombo que irão lhe dar nessa área: O próximo fardamento das gloriosas forças armadas, e ate o pendão Auriverde que tremula sempre em nossas bases aéreas, bancos, belonaves, no planalto de Brasília e em desfiles militares, eu creio que deverão, de agora em diante, ser batidos no Brasil. Sim Dona Dilma, agora, sabendo do seu mau humor com a sacanagem e de seus ovários de titânio, nos seremos mais patriotas, por medo do seu tacape. Fabricaremos, nacionalisticamente, com a Senhora bem informada sobre o assunto, os uniformes militares e as nossas bandeiras em solo pátrio: MAS COM FIO COMPRADO (E TAMBEM CONTRABANDEADO) DA CHINA! E salve o pendão nacional – e a criatividade, Gersismo, sacanagem do matreiríssimo povo Brasileiro para fazer um centavo extra. Sam de Mattos

 DE NOME AOS BOIS, jornalistinha de Merida ( Cidade Mexicana). SdM
Caros, já estamos vendendo aos pedaços, Telefonica, Embratel, Claro, terras na Bahia para chineses, enfim, alugar não é preciso

vamos lá.....isto já é antigo!!!! lembram-se da ARGOS  na cidade de Jundiai??? faziam basicamente tecidos de uniforme para forças armadas....

a máfia é muito grande, pois na reportagem abaixo, vcs verão que um simples uniforme de brim ( que inumeras empresas podem fabricar ( RENAUX por exemplo, que teve problemas exatamente por este motivo....dentre outras.... ) custa R$ 250,00 !!!!! caramba R$ 250,00 para um tecido mais batido e pequenas alteraçoes no acabamento??? vao roubar no inferno!!!! um uniforme de manga longa consome no maximo 4 mts de brim !!!!! + M.O.  + linha + botões + zipe+ estampa........e custa R$ 250,00 ????? muita gente grande paga para ganhar a concorrencia!!!! e muitos envolvidos no governo tb ganham....há alguns anos atrás, tinhamos um ex-genro de um ministro que abriu uma importadora  e vendia uniformes da china.....na mesma epoca circulou pela internet , que a COTEMINAS fazia a operação de exportação de materia prima ( algodão em pluma ) , beneficiava tecidos na china ( com investimento do BNDS !!!!  e inclusive importava os uniformes!!!! eu fiz varios contatos via e-mail e por telefone ....o maximo que consegui foi ouvir de um advogado do depto. juridico, da COTEMINAS que eu estava correndo o risco de ser processado por utilizar palavras de baixo calão!!! pois sempre questionava  a real verdade sobre o assunto!!!! este depto juridico nao contestou e nem afirmou a veracidade do assunto!!!!

na realidade, a corrupção é grande demais!!!! pois para entrar em concorrencias publicas, vc consegue vender mais caro, devido a propina QUE SE FAZ NECESSARIO!!!! e isto nao é novidade para ninguem!!!!

adalberto 


Terrestre

Defesa para de importar farda da China

Por ano, País gasta R$ 100 milhões na compra de 400 mil uniformes camuflados de chineses

Foto arquivo - EB

Leonencio Nossa

Os militares aproveitaram o debate no governo sobre o Plano Brasil Maior, de incentivo à indústria, para se livrar dos uniformes camuflados sem qualidade fabricados na China.

Anteontem, a presidente Dilma Rousseff anunciou que o governo pagará até 25% a mais nos produtos nacionais para o uso das Forças Armadas. A medida está sendo comemorada pelas tropas.

Por ano, o Ministério da Defesa gasta R$ 100 milhões na compra de 400 mil uniformes camuflados de indústrias localizadas na China. A maior fornecedora é a Diana Paolucci, uma empresa brasileira radicada em território chinês.

Embora técnicos do governo afirmem que as licitações impõem exigência de qualidade, os militares da Aeronáutica, do Exército e da Marinha reclamam que a vida útil das peças não chega a um ano, especialmente na região amazônica.

Desconforto psicológico. O Comando Militar da Amazônia conta com 26 mil homens, a maioria usa uniformes camuflados com etiqueta de indústria chinesa, o que, segundo eles, causa certo "desconforto psicológico".

O Planalto divulgou anteontem com estardalhaço que o bolo de R$ 15 bilhões que a pasta da Defesa terá para compras neste ano ficará no País, especialmente nas indústrias têxtil e calçadista. O passe de mágica, na versão do governo, foi o decreto regulamentando a Lei 12.349, de 2010, que fixa as regras para compras governamentais. A regulamentação estipula a margem de preferência de até 25% nos processos licitatórios.

Na verdade, suspensórios, coletes balísticos e boinas já são comprados no mercado interno. O mesmo ocorre com os coturnos.

Desde 2010, o governo estabeleceu uma sobretaxa de US$ 12 para cada par de coturno importado, o que afastou os chineses da área de calçados.

O Ministério da Defesa é favorável a compra integral de fardas e coturnos verde-amarelas. Para os militares, incentivar a indústria brasileira de defesa é uma questão estratégica. Com a medida tomada por Dilma Rousseff, os militares dizem acreditar que o governo deu mais um passo na consolidação da barreira contra os produtos chineses na área.



Hoje pela manhã no Globo Rural disse: "... o alho plantado na China está chegando aos supermercados brasileiros, num preço muito abaixo do brasileiro, derrubando o 2º maior produtor do país o estado de MG."

O agricultor ainda disse que o sabor de um dente de alho brasileiro vale por uma cabeça inteira do chinês.

Até o alho!!! :|

Responder à discussão

RSS

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço